Suncity fecha salas de jogos após prisão de CEO

Suncity fecha salas de jogos após prisão de CEO

Nesta última quarta-feira (1), a Reuters noticiou que o grupo de jogos de apostas Suncity Group Holdings fechou todas as suas salas de jogos VIP em Macau, o maior centro de jogos de azar do mundo. Duas fontes próximas à situação informaram à agência de notícias que o encerramento ocorreu após a prisão do CEO da empresa.

O resultado do fechamento será o corte de cerca de um terço do quadro de funcionários em Macau, de acordo com uma das fontes, que é um executivo sênior do cassino. O executivo não quis ser identificado, uma vez que até então o encerramento ainda não havia sido publicamente anunciado.

A Reuters enviou um pedido de comentário ao Grupo Suncity, mas não obteve resposta. Na quarta-feira, pela segunda vez em três dias, as ações da empresa haviam sido suspensas, enquanto se aguarda o que ela disse ser o lançamento de um anúncio relacionado a seus negócios VIP.

Na noite de quarta-feira, a empresa anunciou em um comunicado que o CEO Alvin Chau havia renunciado a todos os seus cargos na empresa. O comunicado também dizia que a empresa havia entrado com um pedido à Bolsa de Valores de Hong Kong para retomar as negociações na quinta-feira (2).

A notícia veio em meio a uma grande investigação sobre Chau. O CEO havia sido preso no domingo por supostas ligações com jogos de azar e lavagem de dinheiro internacionais. Chau é também o fundador do maior operador de junket de Macau.

A Reuters tentou entrar em contato com Chau ou seu advogado não, mas não obteve sucesso.Na bolsa de valores, a Suncity Group enfrentou um terremoto. Suas ações despencaram 48% na terça-feira (30), para uma baixa recorde, avaliando-as em HK$ 880 milhões (US$ 113 milhões).

As autoridades da região têm adotando uma abordagem de tolerância zero para a promoção do jogo na China continental, onde é ilegal, e procuram conter o fluxo de fundos relacionados ao jogo na China para Macau e outros centros de jogos. Ano passado, estes fluxos de saída foram considerados pela China um risco à segurança nacional. 

O encerramento das salas de jogo da Suncity apenas aprofundou as perdas dos cassinos listados em Macau, que também despencaram esta semana com a esperada perda dos negócios junket de Chau. Esses negócios têm uma estimativa de representar cerca de um quarto das receitas do jogo de Macau.

Não foram apenas as ações da Suncity Group que caíram. Empresas do setor dentro e fora da região chinesa também sofreram perdas, segundo a Reuters. A Wynn Macau Ltd, a Bloomberry Resorts Corp, das Filipinas, um destino dos chineses, viram suas ações caírem.

As autoridades de Macau acusaram Chau e outras 10 outras pessoas de usarem a ex-colônia portuguesa como base para uma "plataforma de apostas ao vivo" ilegal nas Filipinas, que atraiu jogadores da China continental.

Segundo da Reuters, um mandado de prisão de Chau também foi emitido na sexta-feira (26) pela cidade de Wenzhou, no continente chinês. A acusação era de que ele havia formado uma rede de agentes de junket que ajuda os cidadãos a se envolverem em jogos de azar e criado uma empresa que ajuda os jogadores a fazer transferências de fundos internacionais. 

Fonte: Reuters