Disney quer entrar no mercado de aposta esportiva

Disney quer entrar no setor de apostas esportivas

Na semana passada, Bob Chapek, CEO da Walt Disney Company, disse durante o evento de divulgação de resultados trimestrais que a empresa se expandirá para as apostas esportivas por meio da ESPN. 

Segundo a Forbes, o CEO informou que “estamos caminhando para uma maior presença nas apostas esportivas online e, dado nosso alcance e escala, temos o potencial de fazer parceria com terceiros neste espaço de uma forma muito significativa”.

Os números atuais da Disney ficaram abaixo das expectativas de Wall Street e significaram um ano fraco para a empresa. Por outro lado, os esportes foram um ponto positivo. A Forbes adiantou que "o serviço de streaming ESPN+ aumentou o número de assinantes em 66% durante o ano fiscal. 90% das transmissões mais assistidas nas redes de TV de propriedade da Disney no ano passado foram eventos esportivos e a Disney fechou um acordo de 10 anos com os direitos da NFL que começa em 2023."

Ainda assim, a receita de publicidade da ESPN ficou estável durante o quarto trimestre em comparação com o mesmo período do ano passado. Chapek acredita que os jogos podem ajudar a empresa, criando novos fluxos de receita, atraindo e mantendo um público mais jovem. 

Para Chapek “apostas esportivas são uma oportunidade muito significativa para a empresa e tudo é impulsionado pelo consumidor, especialmente o consumidor mais jovem, que irá reabastecer os fãs de esportes ao longo do tempo e seu desejo de ter o jogo como parte de sua experiência esportiva.” 

Para atrair este público mais jovem, a Disney deve “considerar seriamente entrar no jogo de uma forma mais ampla, e a ESPN é uma plataforma perfeita para isso”, segundo Chapek. 

A Disney já havia testado este território. De acordo com a Forbes, ano passado a ESPN fechou acordos com a Caesars Entertainment e a DraftKings para criar um link para suas apostas esportivas na ESPN.com. Em agosto, o Wall Street Journal informou que a ESPN estava em discussões para explorar um possível acordo de licenciamento de marca com a Caesars Entertainment ou DraftKings que poderia valer US$ 3 bilhões.

O que ainda precisa ser resolvido é como a Disney entrará no jogo através da ESPN. Ainda em setembro, Chapek foi questionado durante uma conferência de investidores se a ESPN iria além do licenciamento e das apostas diretamente.

À época ele disse “há um longo caminho entre a incorporação da ESPN como um modelo de negócios e o licenciamento.” E prosseguiu dando mais pistas sobre os caminhos da empresa. “Podemos dizer apenas que nossos fãs estão realmente interessados ​​em apostas esportivas. Podemos considerar que nossos parceiros nas ligas estão interessados ​​em apostas esportivas, logo estamos interessados ​​em apostas esportivas.” 

A indústria de apostas esportivas está em um crescimento vertiginoso nos EUA desde que a Suprema Corte derrubou a proibição em 2018. Hoje 32 estados e Washington, D.C. já lançaram mercados legais e a indústria tem movimentado muito dinheiro.

De acordo com dados da American Gaming Association, os americanos apostaram US$ 24 bilhões em sportsbooks legais no primeiro semestre de 2021, o que se traduz em cerca de US$ 2 bilhões em receita bruta de jogos. A Macquarie Research, por sua vez, afirma que a expectativa para 2030 é de que a indústria produza US$ 30 bilhões em receitas com um total estimado de US$ 400 bilhões em apostas. Empresas de mídia - da Fox à Sports Illustrated - já fecharam acordos com empresas de apostas esportivas.