Banidos anúncios de tokens de torcedor do Arsenal

Banidos anúncios de tokens de torcedor do Arsenal

Duas promoções online de "tokens de torcedor” baseadas em criptografia pelo Arsenal Football Club foram proibidas pelo órgão de vigilância de publicidade do Reino Unido.

A Advertising Standards Authority (ASA) determinou que os anúncios eram irresponsáveis e enganosos, pois não demonstravam suficientemente o risco de investir em criptoassets, como o fato de que tokens desse tipo não são regulamentados na Grã-Bretanha. 

Um dos anúncios também não notou claramente que o token era uma criptomoeda e que exigia que os consumidores comprassem uma criptomoeda específica para acessá-la, disse o ASA.

Os "tokens de torcedor" de futebol são um cryptoasset que dá aos portadores a chance de acessar benefícios relacionados à associação, como designs de mercadorias, votação de decisões do clube e participação em competições.

Eles se tornaram cada vez mais populares nos últimos anos entre os clubes de futebol profissional, incluindo Manchester United, AS Roma e Paris Saint-Germain.

A BBC News estimou recentemente que £262 milhões foram gastos nessas moedas virtuais, que receberam críticas por serem produtos de alto risco e mal regulamentados.

Em julho, o Arsenal revelou que lançaria um token de torcedor em parceria com a empresa de entretenimento esportivo Socios, cuja plataforma é usada por dezenas de clubes de futebol e afirma ter vendido moedas entre $ 270 milhões e $ 300 milhões em seu aplicativo.

Um anúncio usado para promover o token de torcedor foi um post de vídeo no Facebook intitulado “$ AFC agora está ao vivo” que apresentava três jogadores do clube, Ben White, Calum Chambers e Kieran Tierney, e perguntava aos fãs: “Que música vocês querem ouvir quando ganhamos? Baixe o aplicativo Socios para obter seu token e votar.” 

Um segundo anúncio foi uma página da web publicada em 12 de agosto com o título “$ AFC Fan Token: Tudo o que você precisa saber”, que continha informações sobre o Arsenal Fan Token e os benefícios que ele proporcionava.

Esta última promoção continha informações na parte inferior da página que afirmavam que os clientes eram obrigados a comprar a criptomoeda Chiliz se quisessem um token de fã e pudessem perder dinheiro com seu investimento.

Como o aviso estava no final da página, o ASA disse que isso significava que um consumidor poderia ter continuado a se envolver com o anúncio sem perceber o aviso, o que não deixou claro que os ativos não eram regulamentados no Reino Unido.

O Arsenal disse que os tokens dos fãs eram usados ​​para encorajar a participação dos fãs e eram diferentes das criptomoedas, que são moedas virtuais usadas como meio de pagamento. 

O clube disse que promoveu os tokens de forma responsável, lembrando aos torcedores que eles só precisavam de um token para votar nas decisões, que eles deveriam comprar apenas o que pudessem pagar e pediu aos compradores que procurassem aconselhamento financeiro independente, se necessário.

O ASA disse que a Autoridade de Conduta Financeira categorizou os tokens de utilidade como criptoassets, que são investimentos complexos e sofisticados, sujeitos a mudanças frequentes de valor e que podem levar a grandes perdas.

“Reconhecemos que os anúncios não promoviam os tokens de fãs como um investimento ou produto financeiro. No entanto, o produto era um criptoasset, independentemente de como era promovido, e os anúncios não continham nenhuma informação de que o Imposto sobre Ganhos de Capital (CGT) pudesse ser pago sobre os lucros do investimento em criptoassets. Portanto, consideramos que as implicações fiscais potenciais não foram deixadas suficientemente claras para os consumidores que consideram investir nele.”

A ASA concluiu: “Portanto, como os anúncios banalizaram o investimento em criptoassets e tiraram proveito da inexperiência ou credulidade dos consumidores ao não deixar claro que a CGT poderia ser paga sobre os lucros do investimento, concluímos que os anúncios eram irresponsáveis ​​e violavam o Código.”

Um porta-voz do Arsenal disse: “Levamos muito a sério nossas responsabilidades em relação ao marketing para nossos torcedores. Consideramos cuidadosamente as comunicações aos fãs sobre nossas promoções e fornecemos informações sobre riscos financeiros. Faremos o possível para cumprir a orientação da ASA com relação às comunicações futuras nesta área de rápido movimento; entretanto, buscaremos uma revisão independente da decisão do ASA para buscar maior clareza sobre a posição atual do ASA.”