Loterias federais crescem 13% e atingem R$ 2,74 bi

Loterias
Loterias federais crescem 13% e atingem R$ 2,74 bi

Loterias federais crescem 13% e atingem R$ 2,74 bi

O 1o Relatório do Mercado Brasileiro de Loterias divulgado nesta quarta (23) pelo Ministério da Economia informou que houve um aumento de 13% nos valores arrecadados pelas loterias federais nos quatro primeiros meses do ano. Este valor representa R$ 2,74 bilhões comparados aos 2,42 bilhões arrecadados no mesmo período de 2020. 

De acordo com o documento, há um constante crescimento de arrecadação das loterias desde 2017, "com expectativa de desempenho ainda melhor para 2021". O relatório ainda informa que o setor não foi afetado pela pandemia de COVID-19, ao contrário. "Mesmo com o impacto decorrente da Pandemia de Covid-19, houve aumento da arrecadação nominal em 2020 de quase todas as loterias federais operadas pela Caixa Econômica Federal (CEF), em relação aos anos anteriores." Entre janeiro e maio de 2021, por exemplo, houve um crescimento de 9,6% em relação a 2020. Quando comparado com 2017, o aumento chega a 28,9%. 

Os números revelaram um "aumento da venda da Loteria Federal, loteria tradicional de bilhetes, que resultou em 58% de crescimento quando comparada com o mesmo período do ano passado". Houve destaque para a venda de produtos como Lotofácil e Quina, que cresceram 38% e 32%, respectivamente, em relação ao mesmo período 2020. A Lotofácil tem ainda um valor expressivo de crescimento se comparada com o período equivalente em 2017: 75%. 

O relatório aponta que os três produtos principais, que juntos acumulam 87% das vendas, são a Lotofácil, Mega-Sena e Quina. A Lotofácil, porém, ultrapassou pela primeira vez a Mega-Sena. A explicação do Ministério para esse movimento é que se trata de uma "consequência direta do aumento do número de concursos da Lotofácil, que passou a ser diário desde agosto de 2020 e, do pouco acúmulo dos concursos regulares da Mega-Sena".

Os repasses sociais para o financiamento de diversas políticas públicas realizados via Tesouro Nacional ultrapassaram R$ 2,04 bilhões no primeiro quadrimestre de 2021, o que representa um aumento de 22% quando comparado ao mesmo período de 2020. Um dos grandes beneficiários dos recursos foi a Educação que recebeu um aumento de 207% por causa de um dos prêmios relativos à Mega da Virada 2020 que prescreveu e não foi resgatado.

Os valores destinados à Seguridade Social, ao Fundo Nacional de Segurança Pública e à Educação, representam juntos 83,9% dos repasses sociais via Tesouro Nacional. Segundo o relatório da pasta "além dessas destinações específicas, houve o recolhimento de Imposto de Renda de aproximadamente R$ 450 milhões que poderão ser destinados ao atendimento de qualquer despesa do governo."

Dessa forma, no 1º quadrimestre, o setor destinou aproximadamente R$ 2,5 bilhões ao Tesouro Nacional (entre repasses sociais e imposto de renda) para atender ações governamentais, conforme estabelecido na legislação.

Fonte: Istoé Dinheiro e Ministério da Economia

Relacionadas