EUA: Cassino Caesars assina acordo com sindicato

EUA: Cassino Caesars assina acordo com sindicato

Na última sexta-feira (1), o Caesars Entertainment, maior empregador de cassinos de Atlantic City, nos EUA, disse que firmou um novo contrato com o principal sindicato de funcionários da cidade que prevê aumentos "históricos". As informações foram divulgadas pela Associated Press.

O Caesars Entertainment possui três dos nove cassinos de Atlantic City (Caesars, Harrah's e Tropicana) e afirmou que o pacto era “um bom acordo para todos”.

O acordo, noticiou a agência, foi alcançado na noite de quinta-feira (30) com o Local 54 do sindicato Unite Here como um acordo provisório para evitar uma greve que havia sido ameaçada para o fim de semana de 4 de julho. Esta é tradicionalmente uma das épocas mais movimentadas do ano para os cassinos.

Em comunicado divulgado na sexta-feira, a Caesars Entertainment disse que opera em Atlantic City há mais de 40 anos “com um compromisso inabalável com a comunidade e seus moradores”.

“Sob o acordo proposto, nossos 3.500 membros da equipe do Unite Here verão aumentos salariais históricos e evidências de que são ouvidos e de que, quando surgem problemas, são levados a sério e tratados”, afirmou.

O cassino Borgata, de propriedade da MGM Resorts International, também chegou a um acordo na quinta-feira e se manifestou sobre o assunto:

Dara Cohen, porta-voz da empresa, disse que o acordo demonstra o compromisso da empresa com seus funcionários, suas famílias e o crescimento e prosperidade de Atlantic City. “É um bom acordo para todos. Agradecemos a parceria do sindicato e esperamos continuar nosso forte relacionamento de trabalho.”

Os termos do acordo não foram divulgados; O presidente do sindicato, Bob McDevitt, disse que os detalhes precisam ser apresentados aos trabalhadores para uma votação de ratificação antes de serem anunciados.

À Associated Press, porém, McDevitt disse na noite de quinta-feira que o acordo é “o melhor contrato que já tivemos”.

O sindicato disse que buscava aumentos salariais “significativos” em um novo contrato para ajudar os trabalhadores a acompanhar o rápido aumento dos preços da gasolina, alimentos, aluguel e outras despesas. Além disso, procurava compensá-los por ajudar os cassinos a superar o pior momento da pandemia do coronavírus.